sexta-feira, 4 de abril de 2008

Sinais dos tempos






Dia Internacional de Museus 2008
http://icom.museum/2008_contents.html

Este ano o ICOM – Conselho Internacional dos Museus convida todos os museus do mundo a participar no Dia Internacional de Museus (18 de Maio) com actividades dedicadas ao tema “Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento”.
Com esta proposta, o ICOM estimula a reflexão em torno de um dos pontos fundamentais do conceito de museu, que há mais de três décadas tem vindo a difundir: “Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberto ao público, e que adquire, conserva, estuda, comunica e expõe testemunhos materiais do homem e do seu meio ambiente, tendo em vista o estudo, a educação e a fruição.”
A difusão de “novas” ideias, em finais dos anos 60, de questionamento da instituição museu, da sua abertura ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, foram consubstanciadas na Declaração de Santiago do Chile, datada de 1972. Com efeito, na época operou-se progressivamente uma mudança de atitude e de enfoque por parte dos museus, que acentuou as suas responsabilidades sociais, hoje tomadas como um dado assente. Questionamo-nos então sobre o retomar de um tema, tão debatido nessa atribulada fase de mudança das sociedades, com importantes reflexos nos museus, de que Portugal também foi palco nos anos 70, prolongando-se nos anos 80 e 90 do século XX. Sociedade e desenvolvimento não são conceitos fechados. Evoluem a par dos tempos. Adequam-se a novas necessidades, a novos contextos sociais, culturais, económicos, técnicos, científicos, artísticos, patrimoniais… fruto da contemporaneidade. É então neste momento, neste ano de 2008, que se propõe um novo olhar sobre as sociedades, hoje profundamente multiculturais, em que a circulação e a convivência de pessoas de diferentes nacionalidades, memórias, raízes culturais, línguas, resultam em confrontos e em encontros que reflectem a riqueza do ser humano, nas suas várias faces. Um tempo também marcado pela profusão de imagens que documentam e interpretam realidades e pelas vastíssimas possibilidades das tecnologias, também já não tão novas, mas cada vez mais acessíveis, associadas a novas fórmulas de comunicação, de aproximação e de interacção. E é sobre o museu neste tempo que urge reflectir, na perspectiva de o configurar como “agente de mudança social e desenvolvimento”, implicando-o, envolvendo-o, fazendo-o participar e fazer parte do quotidiano das pessoas.
Na perspectiva do tema proposto e como sugestão para reflectir sobre o potencial de uma nova realidade dos tempos actuais, este ano o ICOM anuncia uma novidade: a celebração do Dia Internacional dos Museus tanto no mundo real, como no mundo virtual. (Ver http://icom.museum/2008_contents.html)
O Instituto dos Museus e da Conservação associa-se às comemorações do Dia Internacional dos Museus e apela aos museus que integram a Rede Portuguesa de Museus para promoverem iniciativas que assinalem esta data, que em Portugal constitui já um momento de grande reconhecimento público da actividade dos museus.

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado