sexta-feira, 15 de maio de 2015

Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade

(...) a pretensão de representar uma cultura em vez de indivíduos e a necessidade/facilidade de simplificar por via da compartimentação e rigidez das categorizações sobre o “Outro”; a ideia de que o diálogo intercultural através da arte não alimenta tensões; e a identidade como uma matriz fechada, em detrimento da ideia de pertenças múltiplas.



http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/6014







Alguns personagens de poemas são vazados de pessoas da minha cidade, mas espero estejam transvazados no poema, nimbados de realidade. É pretensioso? Mas a poesia não é a revelação do real? Eu só tenho o cotidiano e meu sentimento dele. Não sei de alguém que tenha mais. O cotidiano em Divinópolis é igual ao de Hong-Kong, só que vivido em português.




(Poeta mineira de Divinópolis)

Adélia Prado 


sábado, 11 de abril de 2015





A arte de perder não é nenhum mistério
tantas coisas contém em si o acidente
de perdê-las, que perder não é nada sério.
Perca um pouco a cada dia. Aceite austero,
a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
lugares, nomes, a escala subsequente
da viagem não feita. Nada disso é sério.
Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas. Um império
que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
Mesmo perder você ( a voz, o ar etéreo, que eu amo)
não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser um mistério
por muito que pareça (escreve) muito sério.




Elizabeth Bishop 

Escritora americana , umadas mais importantes poetas do século XX a escrever na língua inglesa. 
Foi a primeira mulher a receber o prêmio internacional Neustadt de Literatura ( 1976) 

domingo, 9 de novembro de 2014

A Insuperável Mudez da Borboleta



in http://hasempreumlivro.blogspot.pt/




"Gumercindo fora funcionário do Museu de Arte Antiga de Lisboa e na altura (que Teresa não soube precisar quando) em que trasladaram os restos mortais de Santa Auta para aquele lugar, descobriu entre as ossadas um amontoado de folhas escritas. Guardou-as e ocultou-as de todos os olhares (uma vingança por ter sido obrigado a aposentar-se). Teresa herdou-os e nunca teve curiosidade em saber o que continham. Foi a minha paixão por espólios antigos e documentos esquecidos que a fez procurar esse tesouro inútil da família.






De Santa Auta, sabia apenas que fora a rainha D. Leonor, viúva de D João II, quem pediu o corpo ao Imperador Maximiliano e que trouxe em cortejo Auta para Portugal, em 1751.






Deste espólio, algumas folhas são autorizações de Roma, outras contém advertências com selo papal e real e outras (que tive de ordenar) dizem respeito a uma narrativa, ao que tudo indica de Santa Úrsula. Desta santa, existe uma relíquia na Sé de Évora, que visitei no passado mês de Junho de 2012. E, confesso, sem conseguir evitar as lágrimas.






Tornar públicos estes textos tem um desejo subjacente: juntar os restos mortais de ambas. Mas se isso não for possível, a quem de direito, ao menos que conste este testemunho para a História.






O texto tem algumas partes completamente ilegíveis. A linguagem foi adaptada para a escrita corrente. Os originais regressaram à família Nunes.»


________


Excerto da segunda história “A Invencível Confissão de Úrsula”

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

LIRIAL




 




Lírios, lírios
a vida só tem mistérios.
Destruo os lírios,
eles me põem confusa.
Os finados se cobrem deles,
os canteiros do céu,
onde as virgens passeiam.
Com cabeças de alho,
os bulbos ficam na terra
esperando novembro para que eu padeça.
Como pessoas, esta flor espessa;
branca, d'água, roxo-lírio,
lírio amarelo - um antilírio -,
lírio de nada, espírito de flor,
hausto floral do mundo,
pensamento de Deus inconcluído
nesta tarde de outubro em que pergunto:
para que servem os lírios,
além de me atormentarem?
Um lírio negro é impossível.
Inocente e voraz o lírio não existe
e esta fala é delírio.



____

Adélia Prado. In: O Pelicano. Licor de romãs. In: Poesia reunida. 3a ed. São Paulo: Siciliano, 1991. 407 p. p. 311.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Abakan Intercultural Congress 2012, Republic of Khakassia (Chakassia), Siberia

http://www.komtour.khakasnet.ru/Ob_inform_e.htm




A Rede Portuguesa de Museus, consignada na Lei - Quadro dos museus portugueses, desde 2004, tem como objectivo incentivar projectos partilhados, para investir na qualificação dos museus, assegurando a sua independência técnica e acreditação, bem como apoiar projectos museológicos.





Milhares de quilómetros separam Lisboa, de onde parti no dia quatro de Julho e a cidade de Abakan (Republic of Khakassia) onde agora me encontro.
É emocionante estar aqui, diante de vocês, vindo de tão longe, para compartilhar ideias e perspectivas, preocupações comuns sobre os papéis atribuídos aos museus no desenvolvimento social de nossos povos e nossas comunidades.
Nunca estive nesta parte do mundo. É a minha primeira vez na Sibéria e eu gostaria de agradecer ao Governo República de Khakassia o convite que dirigiu à Rede Portuguesa de Museus, entidade que aqui represento.





Distância não é obstáculo quando se trata de trabalhar em algo em que acreditamos. Nós podemos fazer qualquer coisa, tornar tudo possível, com as conexões certas. Uma rede é um organismo vivo, que precisa de ser alimentado de forma contínua. Esse alimento, essa energia congregadora, só pode surgir a partir do diálogo e da partilha resultante de projetos e ações baseadas no princípio de participação.
Os museus que trabalham nessa lógica de rede estão definitivamente mais preparados, melhor ancorados para responder às questões da multiculturalidade e proporcionar um clima mais seguro para lidar com temas-chave, tantas vezes fracturantes, como são os processos de construção das identidades, a comunicação intergeracional e as diferentes noções de património, a defesa da língua e da cultura.
Museus devem demonstrar sem pestanejar o seu valor como activo económico, a sua contribuição directa e indirecta para a economia e o seu impacto na sociedade em prol do desenvolvimento e da inclusão.
Eles devem usar ferramentas e criar indicadores que permitam avaliar o nível de satisfação de seus usuários (os cidadãos-clientes) e ter a real percepção do impacto de suas acções na sociedade. É importante avaliar e demonstrar resultados. É aí que a força e a relevância dos museus do século XXI fica demonstrada. Para fazê-lo, devemos equipá-los com as ferramentas adequadas para identificar os seus problemas e necessidades (diagnóstico); estabelecer vínculos activos; avaliar o impacto de suas acções na sociedade; priorizar e re-projetar sua missão. Precisamos erradicar claramente o que é supérfluo ( tudo o que prejudica o meio ambiente e se esgota no imediato, esgotando-nos...).





A acreditação que dá acesso a integrar a rede é um momento muito importante para o museu, porque significa que, segundo a lei em vigor, ele cumpre ( tem definidas e implementadas ) um conjunto de normas, mas não é o fim da linha. Integrar a Rede Portuguesa de Museus é estar entre pares num sentido aperfeiçoamento contínuo.
Um comportamento socialmente responsável, um reconhecimento público, um factor de credibilidade. Ganhar escala e relevância junto da comunidade.







Acreditação não é um objectivo em si, mas sim mais um incentivo para melhorar. Nem todas as instituições que se autoproclamam museus, são efectivamente museus à luz daquilo que a lei-quadro dos museus portugueses define. Precisamos estabelecer critérios, requisitos básicos. Tais detalhes distinguem o sistema de português de museus e fazem dele uma referência internacional. O papel social e cívico dos museus do século XXI , a necessidade de ganhar escala, relevância na vida das pessoas, implica novas capacidades de comunicar e de "gerenciar" a diversidade e os antagonismos. O diálogo intercultural, a inclusão, as novas formas de "governança" em parceria, pilares do trabalho em rede, exigem também a uma revisão dos perfis profissionais das equipas dos museus e das competências das equipas, sua multidisciplinaridade. Num momento em que o valor da proximidade se coloca e as pequenas economias se impõem como recurso, faz todo o sentido o reforço das parcerias e o trabalho em rede , assim como as redes temáticas que se entrecruzam nos territórios. delas e do seu funcionamento depende a sustentabilidade e o desenvolvimento. Os museus do século XXI devem tornar-se instalações de vida para a criatividade, casas-abrigo para múltiplos talentos e sensibilidades. Instalações de conhecimento, experimentação e estudo.
Museus tendem a ser playgrounds interculturais e intergeracionais, espaços identitários e inclusivos que oferecem uma visão para além do espelho. Aí reside a sua contemporaneidade e relevância. Lembremos aqui os discursos e citações que mudaram o mundo dos museus e que nos apontavam claramente, mais de sessenta anos atrás, uma nova ordem, uma nova forma de pensar os museus como mais próximos das pessoas, mais humanos. Um bom exemplo disso seria a UNESCO quinto seminário regional - El Museu Como centro cultural de la comunidad, no México, em 1963 Aqui museus foram apontados como playmakers sociais e culturais. E também a Santiago do Chile conferência onde foi reforçada a dimensão social das acções museológicas. Mas para isso precisamos de um bom diagnóstico e uma visão integrada e sistémica dos territórios onde os museus estão integrados, precisamos de uma boa articulação com os líderes, as pessoas-recurso de que fala Hugues de Varine. Nós temos que envolver as pessoas e suas comunidades no inventário e investigação de sua própria herança. Sem um forte compromisso e estratégia comum inter-pares, não seremos capazes de fazer o nosso caminho. Assim, resumidamente, RPM (Rede Portuguesa de Museus), aqui apresentada é um serviço público cultural, criado há mais de dez anos pelo Governo Português , consignada na Lei-quadro dos museus portugueses, orientada para eixos de acção e fundada nos seguintes princípios e objectivos: Promover a cooperação institucional entre museus; incentivar a descentralização de recursos; favorecer o planeamento e a racionalização dos investimentos públicos em museus; promover a comunicação; garantir rigor e profissionalismo; aumentar o conhecimento e a sustentabilidade; promover a sua credenciação em conformidade com os requisitos previstos na lei; incentivar abordagens museológicas inovadoras; promover a acessibilidade e a inclusão.





RPM (Rede Portuguesa de Museus) e o quadro legal que a suporta, constitui uma referência em muitos outros países da Europa e no Brasil, um caso  de estudo na área da Gestão e Qualificação dos museus.

Uma ferramenta vital da política museológica na ultima década. Hoje nós estamos vivendo na "pista rápida", estamos correndo em frente e essa abordagem deixa-nos pouco tempo para reflexão. É importante repensar esse tempo e reflectir sobre a nossa história e as várias formas de contá-la, fazendo o melhor de nossa herança. Hoje temos consciência de que não há um único património, mas muitos patrimónios e muitas formas de se comunicar essa diversidade de valores e referencias identitárias, sejam elas materiais ou imateriais. O envolvimento das pessoas no reconhecimento dos diversos patrimónios e os processos associados de categorização e nomeação são a lição mais importante que ninguém esquece.
Como Manuel Castells disse uma vez: " A tecnologia da informação é baseada na flexibilidade. Não apenas os processos são reversíveis, mas organizações e instituições podem ser modificadas, e até mesmo fundamentalmente alteradas, rearranjando os componentes. O que distingue a configuração do novo paradigma tecnológico é sua capacidade de reconfigurar, um recurso decisivo em uma sociedade caracterizada por constante mudança e fluidez organizacional "
Meu ponto principal é que estamos entrando na era das redes e este é o caminho para melhorar a forma como as parcerias funcionam. No entanto, como as organizações e culturas mudam a um ritmo mais lento do que as técnicas, muitos de nós continuar a usar dinâmicas ultrapassadas e, portanto, a comunicação dentro das instituições de forma obsoleta. Estamos sempre buscando uma regra comum, algo para nos guiar. Na realidade, nós racionalmente percebemos nossa evolução e a necessidade de sistemas organizacionais horizontais como forma de emancipação, mas a nossa cultura continua a ser essencialmente vertical e centrada na autoridade. E é isso que precisamos mudar. Neste século XXI, no terceiro milénio, na era da comunicação baseada num conceito mais amplo e integrado de herança, só faz sentido trabalhar em rede. Estabelecer parcerias, definir territórios de intervenção cultural e conexões construídas agora é vital para o sucesso futuro. A Gestão da Qualidade junto com a Engenharia Social e a Economia Criativa, são fundamentais para o desenvolvimento de um clima colaborativo. Tendo em consideração as nossas diferenças de escala, trago-vos o modelo que tem sido adoptado nos últimos dez anos pela RPM, o modelo que colocou o primeiro tijolo para um programa de qualidade dos museus, educação e acreditação sistemática em Portugal. Em nome do Departamento de Museus do Instituto dos Museus e da Direcção Geral do Património Cultural, agradeço a oportunidade e faço votos para que este Fórum seja uma vantagem significativa para novas reuniões entre os nossos museus, nossas cidades e nossos países.



Obrigada
















































Isabel Victor





Rede Portuguesa de Museus


LEI - QUADRO DOS MUSEUS PORTUGUESES


__________






Direcção Geral do Património Cultural / Secretaria de Estado da Cultura





















































































segunda-feira, 9 de maio de 2011

Casa abandonada




Esta mansão outrora pertenceu a Aristides de Sousa Mendes, diplomata português que ajudou milhares de judeus a escapar às garras de Hitler durante a segunda guerra mundial.
Os fundos cedidos pelo governo português nunca foram o suficiente para restaurar a mansão. Tanto que a família de Sousa Mendes decidiu criar a Fundação Aristides de Sousa Mendes. Com o apoio do governo português, a fundação conseguiu comprar a casa com o objectivo de construir um museu em sua honra.
Em 3 de Fevereiro de 2005 a casa foi considerada de interesse patrimonial (simbólico / histórico).
Dois eventos realizados no âmbito da UNESCO conseguiram juntar seis mil euros em donativos para a fundação. Mesmo assim o presidente da fundação disse, em 2006, que a fundação estava com dificuldades em reunir os fundos necessários para fazer a renovação da referida casa e consequente criação de um ponto de memória, um museu que desse conta do extraordinário legado de coragem e acção humanista de Aristides de Sousa Mendes.
A mansão está neste momento ao abandono, enquanto que a casa de Salazar, ditador que criou grande transtorno à carreira profissional e familiar de Aristides de Sousa Mendes, foi transformada em museu. Con(tradições) dificilmente explicáveis à luz da carta universal dos direitos humanos e da mais elementar consciência de cidadania.











sábado, 9 de abril de 2011

Tavira, uma história de amor

Reza a lenda, e como todas as lendas de lenda não passa, que na altura da ocupação muçulmana existia um rei mouro em Tavira cuja filha se chamava Séqua. Também se conta que na altura da conquista cristã do reino do Algarve existiu um belo cavaleiro chamado Gilão. O cavaleiro Gilão conheceu a princesa Séqua e ... apaixonaram-se. Mas não era um amor qualquer, apaixonaram-se perdidamente.  Viviam no sobressalto dum amor proibido, uma princesa moura e um cavaleiro cristão. Mas como o amor é mais forte do que um trovão, os amantes encontravam-se secretamente, todas as madrugadas, em cima da ponte que une as duas margens do rio de Tavira. Houve alguém de uma das facções que descobriu. Numa das madrugadas, o cavaleiro Gilão e a princesa Séqua encontravam-se mais uma vez em cima da ponte quando foram surpreendidos por ambas as facções, numa das margens do rio, a facção militar cristã e, na outra margem do rio, a facção militar moura. O cavaleiro e a princesa ficaram aterrorizados ao serem descobertos, porque sabiam que iam ser acusados de traição, então dramaticamente puseram fim às suas vidas. A princesa Séqua atirou-se para um dos lados da ponte e o cavaleiro Gilão atirou-se para o outro lado da ponte. Segundo a lenda, ainda hoje vagueiam no rio. Assim se explica que um mesmo rio tenha dois nomes: Séqua de um dos lados da ponte e Gilão (um nome gingão) do outro lado da ponte. Gilão e Séqua são afinal as mesmas águas e Tavira o fruto do seu grande amor.



















_______________________________________________________

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

(Delirio)dendron _______________________

Rendi-me ao majestoso tulipeiro da Virgínia (Liriodendron tulipifera) plantado no sec. XVIII. Este monumento vegetal é uma das mais notáveis espécies dos Jardins Barrocos do Palácio dos Biscaínhos, em Braga. Um delírio serpentear por estes caminhos. A névoa dá-lhe um tom dramático, uma intangível beleza. Narcisos, magnólias, anjos e meninos músicos.




quarta-feira, 12 de janeiro de 2011


Não vás para tão longe!
Vem sentar-te
Aqui na chaise-longue, ao pé de mim...
Tenho o desejo doido de contar-te
Estas saudades que não tinham fim.

Não vás para tão longe;
Quero ver
Se ainda sabes olhar-me como d'antes,
E se nas tuas mãos acariciantes,
Inda existe o perfume de que eu gosto.

Não vás para tão longe!
Tenho medo
Do silêncio pesado d'esta sala...
Como soluça o vento no arvoredo!
E a tua voz, amor, como se cala!

Não vás para tão longe!
Antigamente,
Era sempre demais o curto espaço
Que havia entre nós dois...
Agora, um embaraço,
Hesitas e depois,
Com um gesto de tédio e de cansaço,
Achas inconveniente
O meu abraço.

Não vás para tão longe!
Fica. Inda é tão cedo!
O vento continua a fustigar
Os ramos sofredores do arvoredo,
E eu ponho-me a pensar
E tenho medo!

Não vás para tão longe!
Na sombra impenetrada,
Como se agita e se debate o vento!...
Paira nas velhas ruínas do convento

Que além se avista,
A alma melancólica d'um monge
Que a vida arremessou àquela crista...

Céu apagado, negro, pessimista,
E tu sempre mais longe!... 






























Fernanda de Castro
, "Distância"

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010



Fotografia por Maria Avelino
 









Caiu sobre o país uma cortina de silêncio
a voz distingue o homem mas há homens que
não querem que os demais se elevem sobre os animais
e o que aos outros falta têm eles a mais
no dia de natal eu caminhava
e vi que em certo rosto havia a paz que não havia
era na multidão o rosto da justiça
um rosto que chegava até junto de mim de nicarágua
um rosto que me vinha de qualquer das indochinas
num mundo onde o homem é um lobo para o homem
e o brilho dos olhos o embacia a água
Caminhava no dia de natal
e entre muitos ombros eu pensava em quanto homem morreu
por um deus que nasceu
A minha oração fora a leitura do jornal
e por ele soubera que o deus que cria
consentia em seu dia o terramoto de manágua
e que sobre os escombros inda havia
as ornamentações da quadra de natal
Olhava aquele rosto e nesse rosto via
a gente do dinheiro que fugia em aviões fretados
e os pés gretados de homens humilhados
de pé sobre os seus pés se ainda tinham pés
ao longo de desertos descampados
Morrera nesse rosto toda uma cidade
talvez pra que às mulheres de ministros e banqueiros
se permita exercitar melhor a caridade
A aparente paz que nesse rosto havia
como que prometia a paz da indochina a paz na alma
Eu caminhava e como que dizia
àquele homem de guerra oculta pela calma:
se cais pela justiça alguém pela justiça
há-se erguer-se no sítio exacto onde caíste
e há-de levar mais longe o incontido lume
visível nesse teu olhar molhado e triste
Não temas nem sequer o não poder falar
porque fala por ti o teu olhar
Olhei mais uma vez aquele rosto era natal
é certo que o silêncio entristecia
mas não fazia mal pensei pois me bastara olhar
tal rosto para ver que alguém nascia






" Um rosto de Natal ", Ruy Belo - Todos os Poemas II. Lisboa: Assírio Alvim, 2004
 

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Visita técnica às exposições da Rede de Museus do Algarve



  "A cada terra uma santa, a cada pessoa a sua fé", aspecto da exposição "Cidade e Mundos Rurais", Museu Municipal de Tavira. Na imagem Marta Santos, técnica superior / equipa investigação Museu





Algarve, do Reino à Região  (um tema, doze exposições) 





A Direcção Regional de Cultura do Algarve tem nas suas atribuições o acompanhamento e apoio a museus da região em articulação com o IMC. Assim, organizou nos dias 16 e 17 de Dezembro uma sessão de trabalho para discutir o processo em torno da exposição “Algarve do reino à região”, uma iniciativa da Rede de Museus do Algarve. Para isso convidou o Departamento de Museus do IMC, representado pela sua Directora, Isabel Victor e por Clara Mineiro, especialista em acessibilidade em museus, convidou outros dois especialistas – Margarida Alçada, do Turismo de Portugal e Luiz Filipe Trigo, designer e professor universitário.



Nesta foto, da esquerda para a direita: Rita Manteigas e Marta Santos (Técnicas Superior do Museu Municipal de Tavira), Luiz Filipe Trigo (designer e professor universitário), Dália Paulo (directora Regional de Cultura do Algarve), Jorge Queiroz (director do Museu Municipal de Tavira), Margarida Alçada (Turismo de Portugal _ Técnica superior cultura e património)





Desta sessão muitas linhas de trabalho conjuntas se desenharam, desde acções de formação a outros trabalhos em rede... 2011 será cheio de actividades.







A Direcção Regional de Cultura do Algarve agradece às equipas dos museus o acolhimento, o profissionalismo, a generosidade e a partilha com que nos receberam e connosco deambularam pelos seus temas e exposições.



Por último, agradecemos aos especialistas convidados pelo empenho e sabedoria que colocaram no longo périplo pelo Algarve, de sotavento a barlavento.





Nesta foto, da esquerda para a direita: Patricia Baptista (Técnica superior Museu), Isabel Victor e Clara Mineiro (Departamento de Museus do IMC)  
Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira


_________________________________________

Fonte


terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Pablo Neruda - Me gustas cuando callas

Ladaínha dos póstumos Natais















__________________________________________


___________________________________________________________________________











"searinhas"de Natal no Museu Municipal de Tavira



















___________________________________________________________________________





Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito











David Mourão-Ferreira in Obra Poética II













domingo, 28 de novembro de 2010

The Silent Evolution

http://www.youtube.com/watch?v=doWAVOq7th0










Deslumbrante ...
Não tenho palavras. Mergulho neste universo criativo.






  
  

 
 
Um exército de figuras humanas vai deixar a praia em Cancún, no México, para ser submerso. As esculturas de Jason DeCaires Taylor vão ajudar na recuperação das barreiras de corais .
 
As esculturas são feitas de cimento. Com a sua obra, DeCaires tenta unir a arte e o meio ambiente .

 ' A Evolução Silenciosa ' , é inspirada em pessoas reais - na maioria mexicanos comuns - que foram transformadas em esculturas submarinas para dar abrigo à vida marinha .

O escultor conta que há enorme pressão sobre os corais na região de turismo intenso. A sua intervenção tenta representar a responsabilidade de todos sobre os danos ambientais, sob uma perspectiva ' optimista ' .
 
A composição química e o acabamento em cimento das esculturas promove a colonização da vida marinha, que com o tempo vai cobrir as esculturas em cores diferentes .

As primeiras peças deste museu submarino, submersas em 2009, são o ' Homem em Chamas ' (baseado  num pescador local), o ' Coleccionador de Sonhos Perdidos ' e a ' Jardineira da Esperança '.

Com a  sua obra, DeCaires quer ressaltar que, apesar de nos cercarmos de edifícios, não podemos esquecer o quanto dependemos da natureza .
Museu Subaquático de Artes, Cancún (Esculturas de Jason DeCaires Taylor)
 
O principal grupo - que consiste em 400 figuras pesando mais de 120 toneladas - será submersa nas próximas semanas. Quando isso ocorrer, o artista vai perder o ' controle estético ' sobre sua obra, que ficará a cargo da natureza .
 
Os modelos vivos usados por DeCaires vão desde uma freira de 85 anos até um menino de 3 anos. Para fazer os moldes, ele cobriu de gesso um contador, uma professora de ioga, um estudante, um acrobata e até um jornalista da BBC.















FRIEDERIKE MAYRÖCKER- NUM POEMA DE BRECHT - uma casa em beirute - poemas inéditos de sylvia beirute

FRIEDERIKE MAYRÖCKER- NUM POEMA DE BRECHT - uma casa em beirute - poemas inéditos de sylvia beirute

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Pesquisar neste blogue

A carregar...

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado