sábado, 5 de abril de 2008

o ciclo menstrual da noite



uma escrita de sangue e carne e leite e seios e picos e renúncia e entrega e vibráteis gritos que diria virem de dentro da noite. um pathos quase criptogâmico. um parto oculto que desvenda o rigoroso carpelo de um discurso aparentemente de renúncia. é uma mulher. claro. quem assim majestosamente se veste de nudez (...) este livro de anunciação chega como voragem. e fica como certeza.

isabel mendes ferreira.
_______________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado