sábado, 7 de março de 2009

Realismo fantástico . humor . crítica social . parábola kafkaniana









O vestido era muito bonito, vermelho com pequenas grinaldas e uma espécie de avental branco na parte da frente; a mim custava reconhecer-me, mas o olhar da fotografia não enganava. Quer dizer, aquilo que primeiro julguei ver foi um porco vestido com aquele belo vestido vermelho, um porco fêmea talvez, uma bácora se quiserem insistir, tendo nos olhos esses olhar de cão espantado que eu tenho também quando estou mais cansada.


(...)


Era espantoso ver Yvan tão ligeiro, tão alado sob a luz da lua, movendo levemente a cauda prateada em direcção ao céu e acendendo assim uma espécie de bela fogueira. Toda a massa quebrada do seu corpo e toda a dor dos seus primeiros passos tinham desaparecido sob a sua pelagem de lua e sob os golpes das suas presas de alta precisão, sob os seus saltos, os seus bailados selvagens, os seus grandes sorrisos brancos. Perdi-me de uma paixão louca por Yvan.



___________ in " Estranhos perfumes - história de uma metarmofose " de Marie Darrieussecq, ed ASA, 2002
_____________________________________________________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado