sexta-feira, 27 de março de 2009




O Museo Reina Sofía incorporará nos seus fundos permanentes em regime de depósito uma dezena de gravuras de Goya cedidos pelo Prado e pertencentes às suas séries Los desastres de la guerra e Los caprichos. Os exemplares expostos não serão sempre os mesmos mas irão rodando com o tempo e romperão a barreira cronológica tradicional que situa as obras mais “antigas” mostradas no Reina Sofía por volta de 1881, ano do nascimento de Picasso. Está previsto que o empréstimo destas peças se prolongue durante vários meses e que abra as portas a um período frutífero de colaboração entre o Prado e o Reina Sofía em que ambas as instituições possam ceder uma à outra, de forma temporária, obras não “essenciais” nas suas colecções com o propósito de enriquecer o conteúdo de determinadas mostras. Esta notícia coincide também com o processo de reorganização de salas e remodelação de colecção permanente em que se encontra o centro dirigido por Manuel Borja-Villel. O objectivo é distribuir os fundos do museu numa perspectiva diferente da actual, superando a disposição cronológica e por autor para estabelecer outros critérios que guiem o espectador pelos ciclos-chave da arte dos séculos XX e XXI.


Está previsto que esta reforma se conclua em Maio.








Disponível em: http://www.masdearte.com/
____________________________________________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado