domingo, 17 de junho de 2007

Paisagens interiores ...







Martins Correia - serigrafia, 1993


Pintura sobre ajulejo - Andreas Stocklein




Gosto de estar em casa ...
de me (re)conhecer nos cantos da casa. Nas memórias que me suscitam os objectos. No cheiro que exala das coisas. Nas mil e uma "estórias " que poderia contar a seu respeito. Na forma como me dizem respeito.

Perco-me nas narrativas cruzadas que cada um (numa mesma casa ) faz a propósito desses mesmos objectos. No sentido que individualmente ou em grupo damos ás coisas da casa. Como as vivemos, como as contamos, como as legamos e a quem as legamos e porque as guardamos.
_________
Na intimidade da casa existem singularidades na forma como cada um se relaciona com os objectos. Diferenciações de género, de geração, de dedicação. Notam-se diferentes apegos ás coisas, conforme se trata de homens ou de mulheres, de pais ou de filhos. Cada um vai construindo o seu lugar, na casa comum, de acordo com o seu papel, a sua identidade e o seu gosto. As pessoas vão-se ajeitando aos sítios e ás coisas e fazem -no à sua maneira ...
__________
Há coisas que mudam, que se renovam, que substituímos ao sabor das necessidades e dos gostos. Mas há outras que prevalecem apesar dos modos, dos tempos e dos humores. Coisas que permanecem como que sacrilizadas, religiosamente imutáveis e que nos acompanham toda a vida. Que sedimentam as nossas paisagens interiores.
lembrei-me agora de Ruy Belo e do poema : Oh as casas ...

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado