quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Prémio Xesús Taboada Chivite


Ilmo. Concello de Verín
Praza do Concello. 32600 Verín (Ourense)
Tlfnos: 988 410 000 / 988 410 001 / 988 410 334. FAX: 988 411 900.
http://www.verin.net/, e-mail: mailto:alcalde.verin@arrakis.es


GABINETE DE COMUNICACIÓN



Nota de Prensa

A antropóloga Paula Godinho ganha na Galiza o Prémio Xesús Taboada Chivite

Paula Godinho, professora do Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, ganhou o Prémio Xesús Taboada Chivite com o trabalho Ouvir o galo cantar duas vezes. Identificações locais, culturas de orla e construção de nações na fronteira entre Portugal e a Galiza. O prémio, ao que concorreram onze trabalhos, está dotado com 6.000 euros, adquirindo os organizadores os direitos de edição. A obra ganhadora foi premiada por unanimidade por um júri composto pelo Prof. Dr. Fernando Acuña Castroviejo, vice-presidente do Padroado do Museo do Pobo Galego (Santiago de Compostela); o Prof. Dr. José Gandra Portela, em representação da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; o Prof. Dr. Lourenzo Fernández Prieto, representante da Universidade de Santiago de Compostela; a Prof. Dra. Susana Reboreda Morillo, em representação da Universidade de Vigo; o Prof. Dr. Carlos Francisco Velasco Souto, representante da Universidade da Coruña, e o Dr. António Manuel Alves Ramos, em representação do Museu da Região Flaviense (Chaves).

O Prémio Xesús Taboada Chivite

O Prémio Xesús Taboada Chivite está organizado pela Mancomunidade de Municípios da Comarca de Verín (Galiza) e tem como objectivos promover trabalhos de investigação científica nos âmbitos da arqueologia, a antropologia e a história. Também pretende homenagear ao investigador Xesús Taboada Chivite pela sua obra de estudo e divulgação nessas disciplinas. O passado ano fez-se a primeira convocatória da segunda etapa do prémio, com motivo do centenário do nascimento do autor homenageado. Na primeira etapa, entre os anos de 1988 e de2000, ganharam o prémio reconhecidos investigadores galegos, como José Eduardo López Pereira (Cultura, superstición e Etnografía de Galicia a través de Martiño de Braga), Xoán Bernárdez Vilar (A etapa portuguesa de Colón, e a súa viaxe a Tile), Antonio Balboa Salgado ( Natureza e Etnografía do Noroeste da Península nas fontes clásicas) ou José Manuel Vázquez Varela (Estudo Antropolóxico da Veterinaria Popular en Galicia).
Características da obra

Ouvir o galo cantar duas vezes. Identificações locais, culturas de orla e construção de nações na fronteira entre Portugal e a Galiza é uma densa e profunda investigação (320 páginas) sobre as fronteiras como fenómeno cultural e sobre as relações, “complexas e multidimensionais”, que se geram entre as comunidades locais fronteiriças. A autora, sob um ponto de vista histórico, começa a sua análise a criação das nações portuguesa e espanhola, e faz um estudo muito pormenorizado do Tratado Fronteiriço de 1864, pelo que se fixaram os limites actuais entre o Estado português e espanhol. O estudo premiado centra-se, sob o ponto de vista antropológico, especialmente no sector da “raia seca” compreendido entre o município português de Chaves e os galegos de Verín, Vilardevós, Oímbra e Cualedro. Como afectam às relações de cooperação e conflito nas que sempre se vincularam as veigas de Verín e Chaves os mapas mentais fronteiriços produto dos processos políticos nacionais? Como se desenvolveu a especificidade neste território da sua situação de marginalidade? Como se vive a integração na Comunidade Europeia? Estas são algumas das questões que a autora estuda no trabalho galardoado com o Prémio Xesús Taboada Chivite.

A autora premiada

Paula Godinho é antropóloga e professora no Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde lecciona antropologia aplicada aos movimentos sociais e às fronteiras, e orienta teses de doutoramento em colaboração com a École des Hautes Études em Sciences Sociales (París) e Universidad Pablo Olavide (Sevilla). Como investigadora realizou trabalho de campo no Norte de Portugal, na fronteira galega e no Ribatejo, e tem publicado, entre outras obras, Memórias da Resistência Rural no Sul (Couço, 1958-1962) e O leito e as margens - Estratégias familiares de renovação e situações liminares no Alto Trás-os-Montes raiano.
A autora premiada foi professora convidada na Universidade de Santiago de Compostela (2003) e na Universidade de Vigo (2006), tendo feito conferências e orientado cursos em diversas universidades europeias.

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado