domingo, 22 de junho de 2008


CARTAS ITALIANAS
Luís António Verney

tradução e edição: Ana Lúcia Curado e Manuel Curado

As Cartas Italianas são um olhar sobre o Portugal setecentista a partir do qual se podem vislumbrar muitos aspectos da sua vida civil e intelectual. O papel do rei, os autos-de-fé, a Questão Judaica, a organização dos tribunais, a melhoria do processo penal, a representação diplomática do país no estrangeiro e o peso da Igreja Católica nas políticas públicas são alguns dos temas mais importantes da época sobre os quais Verney se debruça. Mas, nas suas cartas, podem ler-se também linhas em que o autor dá conselhos sobre variadíssimos assuntos: entre outros, as comendas, as medalhas, o serviço postal, o dote para as meninas pobres se casarem, o número de filhos adequado para as famílias, a violência das praxes académicas, o porte de armas, a presença de médicos nas partes mais pobres do território, a necessidade de virem mestres estrangeiros educar os estudantes nacionais, a protecção aos viajantes e turistas e o estado das estradas.



Contemporâneas de um tempo em que impunemente se podia falar de "queima de pessoas na fogueira" e em que a justiça demonstrava que Kafka poderia ser considerado, sem ironia, um escritor realista, as Cartas Italianas de Verney podem surpreender os mais incautos pela sua enorme actualidade em muitos dos aspectos que abordam e provocar danos na auto-imagem de tolerância e indulgência com que os Portugueses se gostam de enfeitar.



______________ LUÍS ANTÓNIO VERNEY
Luís António Verney nasceu em Lisboa em 1713, filho de pai francês e de mãe portuguesa, e faleceu em Roma em 1792. Estudou no Colégio de Santo Antão e na Congregação do Oratório, e formou-se na Universidade de Évora. Viveu sempre em Itália desde os seus vinte e três anos, doutorando-se em Teologia e Jurisprudência. Foi um dos mais notáveis representantes do Iluminismo em Portugal e um grande renovador do pensamento filosófico da época. Recebeu de D. João V a tarefa de 'iluminar a nação em tudo que pudesse'. A sua obra mais influente e célebre é o Verdadeiro Método de Estudar, de 1746. Aguardam ainda tradução para português as suas obras importantíssimas De re logica, De re physica e De re metaphysica, e muitas outras. Foi amigo de grandes autores das Luzes, como Genovese e Muratori, e conviveu com a aristocracia italiana e com figuras importantes da Santa Fé. Este grande reformador do ensino português tinha um pensamento político marcadamente realista, tendo chegado a denunciar as atrocidades da Inquisição. O epitáfio por ele próprio composto revela o seu grande amor por Portugal e pela elevação do nível cultural dos Portugueses: «Deus não quis que eu iluminasse a nossa nação e eu me conformo com a Sua vontade».


_________________________________________________________________________________________


1ª Edição
Formato 13 x 20 cm
ISBN: 978-972-618-491-1
Depósito legal: 276073/08
208 páginas
Ano de publicação: 2008
P.V.P.: 11.90 euros


__________________________________________________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado