quarta-feira, 25 de abril de 2007

Revolução

Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta
como puro inícío
Como tempo novo
Sem mancha nem vício
Como a voz do mar
Interior de um povo
__________________________________________________________________
Como página em branco
Onde o poema emerge
Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação


Sophia de Mello Breyner

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado