domingo, 5 de abril de 2009

em língua de gavetas

Fotografia Flor Garduño











________________________________________________



redemoinho de
disputas íntimas
poço
profundo em segredos
repositório
palheiro de agulhas
caixa falante
em língua de gavetas


" Cómoda ", poema de Carlos Augusto Lima ( Fortaleza 1973)


_____________________________________________





_______________________________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado