segunda-feira, 27 de julho de 2009







fotografia por Elsa Mota Gomes
_____________________________________________________________________________________________________________________

Dormir um pouco — um minuto,
um século. Acordar
na crista
duma onda, ser
o lastro de espuma
que há no sono
das algas. Ou
ser apenas
a maré, que sempre
volta
para dizer: eu não morri, eu sou
a borboleta
do vento, a flor
incandescente destas águas.




Albano Martins, in "Castália e Outros Poemas"




_______________________________________________________________________________

sábado, 25 de julho de 2009

Leve como um roçar de asa

__________________________________________________________________
__________________________________________________________________
___________________________________________________________________


























johann sebastian bach - maria callas - ave maria.







____________________________________________________________________









Vaga, no azul amplo solta


________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________________________



__________________________________________________





Vaga, no azul amplo solta,
Vai uma nuvem errando.
O meu passado não volta.
Não é o que estou chorando.


O que choro é diferente.
Entra mais na alma da alma.
Mas como, no céu sem gente,
A nuvem flutua calma.


E isto lembra uma tristeza
E a lembrança é que entristece,
Dou à saudade a riqueza
De emoção que a hora tece.


Mas, em verdade, o que chora
Na minha amarga ansiedade
Mais alto que a nuvem mora,
Está para além da saudade.


Não sei o que é nem consinto
À alma que o saiba bem.
Visto da dor com que minto
Dor que a minha alma tem.





Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Al di là delle Nuvole


___________________________________a busca pela essência humana, a arte como forma de viver, a consciência de um olhar ...








_________________________________________________________________________






Direção:
Michelangelo Antonioni, Wim Wenders

Ano:
1995

Gênero:
Drama, Romance
Duração:
112 min. / cor

Título Original:
Al di là delle Nuvole


____________________________________________________________________

__________________________________________________________________


______________________________________________________________


_____________________________________________________________________

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Tempo de férias ____________________________




Fotografias http://www.cliffordross.com/




_________________________________________________


O início de férias, é sempre um turbilhão. Uma agitação interior _____________________
____________________________________ um des.propósito
____________________________________________________________
O meu filho António, antes de andar já falava. Era um menino estranho, pensativo ...
Numa noite de brilhos, apontando para a lua disse _________ " bola, luz !". A avó, uma professora experiente, iluminada pela mesma lua, suspirou ____________________ "este menino vai ser poeta".
E_________ é ! Estranhamente, à sua maneira, ____________________________________ é. Na altura não entendi. Hoje veio-me à ideia, assolou-me como uma imensa onda prata e luz. Uma onda fria, metálica, que irrompe do nada. E vai ___________________________ e vem __________________Não entendo.
____________________________________________________
Já passaram tantas luas ... ______________________________________________________________________________
___________________________________________________________
(Tempo de férias. Tempo para pescar memórias no mar da tranquilidade ________________ no fundo.)

sexta-feira, 17 de julho de 2009


_________________________________________________________

________________________________________________________________

“iluminar o obscuro, humanizar o mundo, aceder à dignidade da humanitas”
______________________________________________

in "Senso comum e modernidade em Hannah Arendt", de Anne-Marie Rovielloe

terça-feira, 14 de julho de 2009

A Perfeição


imagem http://www.saudek.com

____________________________________________________________________________


O que me tranqüiliza
é que tudo o que existe,
existe com uma precisão absoluta.
O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete
não transborda nem uma fração de milímetro
além do tamanho de uma cabeça de alfinete.
Tudo o que existe é de uma grande exatidão.
Pena é que a maior parte do que existe
com essa exatidão
nos é tecnicamente invisível.
O bom é que a verdade chega a nós
como um sentido secreto das coisas.
Nós terminamos adivinhando, confusos,
a perfeição



Clarice Lispector

sábado, 11 de julho de 2009

voa voa _________________



_________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_______________________________________________________________



Estranho país: os rios não levam rios, levam leito. Os rios não correm, estão secos. Os rios não se atravessam, caminham-se. Os rios não têm fundo, afogam-se mesmo à superfície (...)


Pedro Mendes, em " O turismo sustentável como factor de desenvolvimento das pequenas economias insulares - o caso de Cabo verde ", Eduardo Sarmento Ferreira, Lisboa, 2008, Edições Universitárias Lusófonas.
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________

quinta-feira, 9 de julho de 2009


Que cantam os poetas ______________________________ ?


____________________________________________________________

Aqui “Destino di Bai” – Poesia Inédita





_________________________________________________

Sobre o movimento literário "Claridade" e a defesa do Crioulo

A revista literária Claridade, surgida em 1936 na cidade do Mindelo, ilha de São Vicente, está no centro de um movimento de emancipação cultural, social e política da sociedade cabo-verdiana. Os seus responsáveis foram Manuel Lopes, Baltasar Lopes da Silva e Jorge Barbosa, a que, dada a excepcional qualidade logo alcançada se juntaram outros.

Os fundamentos do movimento Claridade, como um movimento de emancipação cultural e política cabo-verdiana, podem encontrar-se na nova burguesia liberal do século XIX, que instituiu a Escola como elemento homogeneizador da diversidade étnica das ilhas de Cabo Verde, no pressuposto de que o processo de alfabetização e formação intelectual da população era indispensável ao desenvolvimento de uma consciência geral esclarecida.

A Escola até então em Cabo Verde havia sido eminentemente eclesiástica, pelo que o aparecimento da escola laica desencadeou uma fome de leitura e instrução que está na base do extraordinário desenvolvimento cultural de Cabo Verde nos inícios do século XX face aos territórios semelhantes.

A criação do liceu-seminário, eclesiásticos e laico, da Ribeira Brava e, depois, os liceus da Praia e do Mindelo, para além de formarem os quadros dirigentes da administração crioula, constituíram os cadinhos de onde saíram sucessivas gerações de intelectuais que estão na origem da consciencialização e da reacção contra a mão forte do processo colonialista.

A poesia romântica cabo-verdiana havia-se sido eminentemente poética e pouco política, ou seja a poesia tinha-se debruçado especialmente sobre as emoções e as afectividades, como no caso das Mornas de Eugénio Tavares, mas pouco sobre a situação social.

Embora houvesse já uma certa carga política e, inclusivamente, Eugénio de Paula Tavares tivesse sido criado pela filha de um poeta madeirense emigrado em Cabo Verde por motivos políticos, escrevendo Eugénio poesia em crioulo e, nos artigos de New Bedford, pugnado pela autonomia de Cabo Verde, que pensava que ia chegar com a implantação da República, era ainda, e também, uma atitude romântica, como se comprovou com a implantação do Estado Novo, que desenvolveu a escolaridade, mas não autorizava qualquer discussão política.

Foi nesse sentido que nasceu a revista Claridade, que entre 1936 e 1960 produziu nove números, mas que se tornaram uma referência para toda a cultura caboverdiana. Do ponto de vista literário, a Claridade marca o início de uma fase de contemporaneidade estética e linguística, superando o conflito entre o Romantismo de matriz dominante durante o século XIX, e o novo Realismo, atento às realidades do quotidiano do povo e procurando reflectir a consciência colectiva do povo caboverdiana. Vai ser assim o palco privilegiado para a apresentação do crioulo caboverdiano, que sai de uma certa clandestinidade e menoridade artística, passando a espelhar verdadeiramente um sentir universalista e independente de um povo.
As referências da Claridade apontam assim muito mais para uma universalidade que para o curto e autista universo português de então.
_____________________________________
Copyright 2007-2008 © Portal “Porton di nos Ilha”. Todos os Direitos Reservados design & concepção: NOSi

quarta-feira, 8 de julho de 2009


"Amar a Mãe-Terra e a Mãe-água com toda a força e pureza do Amor, compreendê-las como o menino compreende a linguagem da mãe e a canção de embalar e a profunda significação do embalo daqueles braços, e neles aprende a conhecer a segurança e a protecção contra as ameaças desconhecidas."



in "Chuva Braba" de Manuel Lopes

sexta-feira, 3 de julho de 2009



___________________________







Coisas de todos os dias ...
_________________

fotografias de Bruno Ferro




___________________________________________________

Rosalinda se tu fores à praia, se tu fores ver o mar ...

Fotografia de Eneias Rodrigues
http://www.asemana.publ.cv/


Hoje não é um dia igual aos outros. É um dia grande para Cabo Verde, para o mundo e para quem está lá fora”, comenta emocionada D. Rosalinda. Hoje, a guardiã da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, faz parte do Comité de Gestão do Património – que une governo, autarquia e cidadãos. Para ela, ainda é preciso muita sensibilização para fazer com que as pessoas entendam, e entranhem no espírito, a importância de ser Património Mundial da Humanidade.

in Nova era para a Cidade Velha por Catarina Abreu






A Cidade Velha de Cabo Verde é, a partir de 26 de Junho de 2009, Património Mundial da Humanidade. O reconhecimento pela UNESCO é o culminar de um projecto iniciado há 10 anos. A Cidade Velha de Santiago em Cabo Verde, berço da Pátria crioula, que nasceu e se desenvolveu por conta do tráfico negreiro, vulgo comércio de escravos, foi descoberta pelos portugueses em 1460 que aí construíram a primeira cidade do mundo nos trópicos, tendo sido capital do arquipélago até 1770. Que as pessoas que aqui moram, que habitam este lugar e pisam este chão, consigam exorcizar, em cada acto de liberdade, os tristes lamentos que ecoam da História. Que esta distinção lhes traga (nos traga) mais felicidade. Que seja alavanca de desenvolvimento e prosperidade, que se cumpra plenamente a marca "Património da Humanidade". Em espírito. Em festa.

______________
Decisão tomada por unanimidade, em Sevilha (Espanha), na 33ª sessão do Comité do Património Mundial, presidido por María Jesús San Segundo. A Ribeira Grande - redenominada Cidade Velha no final do séc. XVIII - foi a primeira cidade colonial construida por europeus (portugueses) abaixo dos trópicos, no séc. XV. A declaração (versão preliminar) da Cidade Velha-Ribeira Grande de Santiago a Património Mundial, de 2007, pode ser lida aqui.





________________
Ouvir Silencio - Bau

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado