sábado, 26 de julho de 2008



Fotografias http://www.jkkfinearts.com/photography/



Estamos debruçados sobre o papel branco, como sobre o espelho labiríntico da nossa alma enigmática. Escrevemos, pensamos, libertamos inteiros compartimentos fechados, e logo outros escondidos e logo aqueles, invisíveis, de que jamais suspeitáramos. Existiam realmente, esses universos que o pensamento nos cria, a partir às vezes de uma imagem, de uma palavra, de uma sombra? Sentimos que nunca mais acabaremos, até ao último dia, até ao último minuto, até à última inspiração, de nos aproximarmos, de abrirmos novas portas, de descobrirmos novos espaços. Visitámos em Creta, o labirinto de Cnossos, o palácio onde o signo do labris, o duplo machado sacrificial, foi desenhado em cada divisão acrescentada ao projecto primitivo. Assim, sabemos que um labirinto não é uma série cifrada de corredores, mas uma imensa habitação que se vai construindo através dos tempos, aumentada e remodelada de geração para geração, sendo cada compartimento absolutamente necessário e funcional. Enganam-se aqueles psicanalistas que julgam ter encontrado o mecanismo secreto, a fotomontagem das almas. Uma alma, quando é explorada, penetrada, analisada, quando, sobretudo, se assume como reveladora do cosmos e representante infinitamente complexa do infinitamente grande, amplia-se, cresce, vai formando, lenta e incansavelmente, um corpo invisível, dia a dia maior, dia a dia diferente. (…) Assim, o papel branco do escritor é como a superfície cutânea, na qual um abcesso de fixação vai drenando o curso evolutivo do seu pensamento. O importante é que o canal nunca se feche, entre a elaboração conceptual e a expressão exterior. O importante é que o labirinto nunca se dê por concluído, nunca degenere em sistema circular, nunca se circunscreva num muro, nunca feche a última porta.



António Quadros, 'O Movimento do Homem'







Fonte: Blog sobre António Quadros



____________________________________________________

domingo, 20 de julho de 2008

O livro " CASA DAS MÁQUINAS "





O autor e docente da Faculdade de Letras do Porto desde 1974, Prof. Vítor Oliveira Jorge, e a Papiro Editora, Porto, convidam todos os interessados para estarem presentes na apresentação do livro "CASA DAS MÁQUINAS", um conjunto de cem textos poéticos.

A apresentação pública do livro será feita no auditório do Centro Cultural de Vila Nova de Foz Côa no dia 24 de Julho de 2008 às 21,30 h. e a entrada é livre.


_______


A não perder, digo eu ... que gosto cada vez mais, e por inteiro, da poesia de Vítor Oliveira Jorge.
_______________________________________________________________

Difícil fotografar o silêncio ...





_______________________________________________________________


Difícil fotografar o silêncio. Entretanto tentei. Eu conto:
Madrugada a minha aldeia estava morta.
Não se ouvia um barulho, ninguém passava entre as casas.
Eu estava saindo de uma festa.
Eram quase quatro da manhã.
Ia o silêncio pela rua carregando um bêbado.
Preparei minha máquina.
O silêncio era um carregador?
Estava carregando o bêbado.
Fotografei esse carregador.
Tive outras visões naquela madrugada.
Preparei minha máquina de novo.
Tinha um perfume de jasmim no beiral de um sobrado.
Fotografei o perfume.
Vi uma lesma pregada na existência mais do que na pedra.
Fotografei a existência dela.
Vi ainda um azul-perdão no olho de um mendigo.
Fotografei o perdão.
Olhei uma paisagem velha a desabar sobre uma casa.
Fotografei o sobre.
Foi difícil fotografar o sobre.
Por fim eu enxerguei a Nuvem de calça.
Representou para mim que ela andava na aldeia de braços com Maiakovski ? seu criador. Fotografei
a Nuvem de calça e o poeta.
Ninguém outro poeta no mundo faria uma roupa
mais justa para cobrir sua noiva.
A foto saiu legal.


Manoel de Barros

_______________________
___________________________

segunda-feira, 14 de julho de 2008






E agora o que fazer com essa manhã desabrochada a pássaros?



Manoel de Barros







________________________________________
____________________________________________
_________________________________________________

domingo, 13 de julho de 2008




Retiro-me ...


Ou não ...
_________________________________
_____________________________________
__________________________________________

e, já agora, uma informação útil http://www.portaldaliteratura.com/index.php


________________________________________

quarta-feira, 9 de julho de 2008

No Parapeito da ponte


L'Homme sur le Parapet du Pont

Nesta peça, Guy Foissy aborda o sensacionalismo, a caça à notícia, a espectacularização das vidas, a voracidade da sociedade contemporânea e a sórdida realidade das coisas. Cínico, mordaz, sofisticado, com refinado sentido de humor. O foco apontado para os pequenos detalhes da vida quotidiana, para as personagens comuns, desvenda-nos grandes histórias. Instiga-nos.
Uma escrita dramática centrada no conflito e na palavra com uma “carpintaria teatral” extraordinariamente simples e eficaz, que não deixa o espectador indiferente a uma sociedade doente dos seus medos, das suas fraquezas, da sua brutalidade, do seu ódio ( dos seus predadores ... )

Primeiro as imagens, a luz e as sombras. A palavra e o olhar são substâncias preciosas.
Começa a sedução, intensa, mútua.


... cumplices.

AQUI









__________


Ficha Técnica

Título "No Parapeito da Ponte"
Intérpretes José Nobre, Duarte Victor
Autor Guy Foissy

Companhia TAS - Teatro de Animação de Setúbal
Encenação Duarte Victor

Onde Ver

SETÚBAL.TEATRO DE BOLSO

Quinta, [21:30]

Sexta, [21:30]

Sábado, [21:30]

terça-feira, 8 de julho de 2008

Intercities


De 12 de Julho a 20 de Setembro - “Intercities”, em Setúbal.
Paisagens interiores e lugares da memória marítima e conserveira, inspiram algumas das pinturas de Pedro Besugo em exposição.
____________________________
Museu do Trabalho Michel Giacometti- Ter a sab, das 09h30 às 18h00

Sobre o Pedro Besugo, o percurso do artista e a obra pode ler mais AQUI_
_____________________________________________________________



" Packers " - Pintura sobre suporte madeira (seis caixotes / contentores de latas, usados na expedição, via marítima, das conservas de peixe da antiga fábrica Perienes, hoje museu).
Esta obra passará a integrar a exposição permanente do Museu do Trabalho Michel Giacometti.
As restantes, podem ser adquiridas durante a exposição.
____________________________
... Objectos vividos
Se a construção/invenção da cidade foi o culminar do processo de sedentarização dos povos nómadas, num médio oriente proto-histórico, foi também o início de uma nova forma de estar e viajar no mundo, já não em função apenas da natureza e das estações mas de espaços ordenados e construídos, logo fechados, que passam a ser pontos de referência fixos entre os quais se viaja.

Esse encerramento em muralhas e casas não deixa de ter uma outra consequência notável, a da criação de contentores - no verdadeiro sentido da palavra - para guardar o necessário e o excedente, este último anteriormente impossível de manter e transportar numa vida em movimento quase permanente. E conservar coisas permitiu começar a conservar memórias e criar sistemas de pensamento em função daquelas, encaixar pessoas e ideias.

Longe que estamos desses tempos, num outro em que os satélites e o Sistema de Posicionamento Global," GPS" nos guiam, confesso continuar a preferir-lhes os papéis e os mapas, o tempo gasto na ansiedade da procura e o tempo demorado da resposta. Nunca saberemos como será o nosso próprio transporte no tempo e de que forma a nossa própria "caixa" viajará, mas gosto de pensar no rio (e no mar) como a forma mais envolvente de a fazer circular por entre cidades. As cidades com portos embalam caixas com mistérios e enviam-nas entre cidades, tornando o mundo acessível. O caminhar entre cidades exprime desejos de mudança, de novas experiências, mais do que uma simples deslocação inter-local: ele leva à procura de novos horizontes.

Não é a primeira vez que uso nos meus trabalhos objectos vividos, transformados e gastos pelo tempo. O objecto/caixa fica quase escondido sob uma multiplicidade de invólucros - madeira, lona ou papel - que actuam como se fossem uma superfície visível a fingir de pele. Caixas que materializam os gestos do presente, suportes antes com outras histórias e que agora uso para gravar a minha leitura desses lugares. A caixa como símbolo daquilo que não se deve abrir, mais ou menos relacionada com contos ou lendas e que, quer seja ricamente ornamentada ou muito simples, só tem valor simbólico pelo seu conteúdo.

Abrir a caixa implica correr um risco, e esse é o exemplo mítico de Pandora...

________________________________________________________
_________________________________________________________
______________________________________________________


"Esfinge aparentemente decifrada revela sempre enigmas no atoleiro de sentires tão vividos que têm de ser contados na volta ao mundo da alma em voz dolente e salgada."...


Marta M
in " Hora tardia " IMF

sábado, 5 de julho de 2008












“a Alma esforça-se, tanto quanto pode, por imaginar as coisas exteriores que aumentam ou facilitam a potência de agir do Corpo.”




Maria Gabriela Llansol
Sintra, Junho de 2007

AQUI








_______________________________________




e fecho-me agora, de novo, na urgência de outras escritas mais pragmáticas, menos intuitivas ...




LIGA DE AMIGOS DO MUSEU NACIONAL MACHADO DE CASTRO


Imagem http://www.zademack.com/



Num Museu nem só o material se conserva. A cidadania, o belo e o espírito crítico são conceitos que se conservam praticando. O ensino da arte contribui para o desenvolvimento e enriquecimento pessoal do ser humano. As artes são elementos indispensáveis da expressão pessoal, social e cultural do Homem. São formas de saber que articulam imaginação, razão e emoção.
__________________________________________

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Encontros da Luz

_____________________________________________
_____________________________________________


O Museu da Luz está integrado na 5ª edição do Escrita na Paisagem: Festival de performance e artes da terra, este ano com o tema da CASA. O festival decorrerá de 1 de Julho a 30 de Setembro de 2008, tem uma vasta programação que vai do teatro à exposição e instalação, à performance, música e cinema.

O festival é um projecto da Associação Cultural, Colecção B, financiado pelo Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes e Associação de Municípios do Distrito de Évora, tendo importantes parceiros regionais, nacionais e internacionais. O acolhimento e formação são assegurados pela Universidade de Évora, Departamentos de Artes e de Arquitectura.



O Museu da Luz acolherá o seguinte:

Instalação O Grande Lago, de Rodrigo Oliveira
[12 Julho a 30 Setembro]
_ A instalação O Grande Lago consiste numa estrutura de saltos de piscina que será instalada na parte superior do Museu, de frente para a água. Remete para uma ideia de arquitectura enquanto vestígio de edificação, ruína e monumento, reflectindo simultaneamente a morfologia da paisagem.

Inserida no Circuito de Património e Criação Contemporânea 'O Espírito do Lugar':
[7 artistas, 7 lugares do Alentejo, 7 obras]
Centro Histórico do Redondo; Museu de Évora; Museu Municipal de Estremoz; Castelo de Montemor-o-Novo; Castelo de Arraiolos; Museu da Luz; Castelo de Viana do Alentejo.



Encontros da Luz
[12 e 13 de Julho]

_ Conferências e encontros subordinados ao tema Paisagem, Arte e Arquitectura.

_ Apresentação dos resultados do workshop Open Houses, comissariado por Linda Cassens Stoian, destinado a jovens arquitectos, estudantes de arquitectura, artistas plásticos e performers. É dedicado à noção de espaço urbano, de cidade e de espaço público, com especial atenção ao universo das casas devolutas de Évora.
Carlos Augusto Ribeiro; Cláudia Taborda; João Luís Carrilho da Graça; Jorge Sá; Linda Cassens Stoian; Natália Fauvrelle; participantes no workshop Open Houses.

_ Encerramento dos Encontros com o circo de Léo Cartouche.


[Ver+ Em http://www.escritanapaisagem.net/]

Património Cultural Imaterial



Memórias Fotográficas de uma comunidade rural alentejana 1900-1970
Ervedal (Avis, Portugal)
©Ana Carvalho, 16 Julho 2008




http://medinsuevora.wordpress.com/

Na sequência do trabalho desenvolvido no âmbito do projecto MEDINS foi criado este espaço de divulgação. Pretende-se dar a conhecer as actividades do projecto em torno do Património Cultural Imaterial, nomeadamente investigação, seminários.


“as práticas, representações, expressões, conhecimentos e aptidões – bem como os instrumentos, objectos, artefactos e espaços culturais que lhes estão associados – que as comunidades, os grupos e, sendo o caso, os indivíduos reconheçam como fazendo parte integrante do seu património cultural. Esse património cultural imaterial, transmitido de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função do seu meio, da sua interacção com a natureza e da sua história, incutindo-lhes um sentimento de identidade e de continuidade, contribuindo, desse modo, para a promoção do respeito pela diversidade cultural e pela criatividade humana.” UNESCO 2003
Consulte BLOG MEDINS :

Páginas
Contactos
Projecto MEDINS
Quem Somos
Arquivos
Julho 2008
Junho 2008
MEDINS Links
Intranet MEDINS
MEDINS Malta
MEDINS Multimedia Lab blog
MEDINS Multimedia Labs
MEDINS website
MEDINS Partners
Cairo University
CIDEHUS-Universidade de Évora
Comune di Bagheria
COPPEM
Herimed
Local Council Association of Malta
Municipalité de Bizerte
Municipality of Kalivia, Thorikos
Pit Demetra
Región de Murcia - Portal de Patrimonio Cultural
Region de Rabat
Regione Siciliana
TEDKNA
UNIMED
Universidad de Granada
Université de Tunis el Manar
Université Saint-Esprit de Kaslik (USEK)
Património Cultural Imaterial Links
Asia-Pacific Database on Intangible Cultural Heritage
Blog “Intangible Heritage Network”
CRESPIAL - Centro Regional para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial de América Latina
IJHH - International Journal of Intangible Heritage
Imaterial.org
Intangible Heritage Messenger
International Directory of Intangible Cultural Heritage (Switzerland)
Inventaire des ressources ethnologiques du patrimoine immatériel (IREPI)
Living Human Treasures in Nigeria
Masterpieces of the Oral and Intangible Heritage of Humanity (UNESCO)
Nabi Digital Storytelling Competition of Intangible Heritage
Património Imaterial Galego-Português
Patrimonio Inmaterial Colombiano
Projecto “La Navigation du Savoir”
Projecto “MediMuses”
Projecto “Mediterranean Voices: Oral History and Cultural Practice in Mediterranean Cities”
Revista Oralidad
Tesauro do Folclore e Cultura Popular Brasileira
Website of the Intangible Cultural Heritage (UNESCO)
na Quinta da Penha ...



____________________________________

Vivimos bajo el gran espejo.
El hombre es azul ! Hosanna !


Frederico Garcia Lorca

____________________________________________

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado