sábado, 31 de março de 2007


Não, não há palavras para o que era. Era um triângulo. E eu gosto de triângulos, acho que dão possibilidades, transformam as linhas rectas em espaços. Robert Dessaix
____________________________________________________________________
impressões avulsas, colhidas em Letras de Babel , (des)conectadas, livremente misturadas . . . geometricamente recortadas.

Antropólogos bloguistas

London, 2006



"Nunca os seres Humanos tiveram tantos conhecimentos em comum, tantas referências comuns, tantos símbolos comuns e, ao mesmo tempo, talvez nunca tenham vincado com tanta força a sua diferença. A mundialização acelerada provoca, como reacção, um reforço da necessidade de identidade. I am not I…"
____________________________________________________________________

Leia mais neste interessante blog Vou pra casa, mas não é pra já

Firmeza Total


Documentário de Dre Urhahn and Jeroen Koolhaas.
Sobre o papel do Hiphop nas vidas dos jovens das favelas de São Paulo e do Rio
firmezatotalfilm
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Folheando o Diário de um Sociólogo (blog C.Serra) , o elo mais recente do " Caderno de Campo ", cuja leitura recomendo, encontrei uma janela aberta para estes Olhares alternativos que nos falam do poder da arte na inclusão e humanização de alguns dos lugares mais ásperos do Mundo.
___________________________________________________________________
Visitei por várias vezes São Paulo mas não tenho, pretensão de conhecer tão vasta, complexa e avassaladora realidade.
Tive a percepção da enormidade do problema e simultâneamente da preciosidade humana que pulula na controversa Metrópole de São Paulo . Não esquecerei jamais a emoção de aterrar no gigantesco Aeroporto Internacional de Guarulhos, onde transitam diariamente mais de 100.000 pessoas !
Neste imensa placa giratória do mundo sentimo-nos arrebatados pela exuberância da diversidade escrita nos rostos, falas, penteados, vestires . . . nos ritmos ! Nos ritmos ! São Paulo é fascinante ! Como um vulcão, entre o belo e o horror, prende-se-nos ao olhar . . . cola-se-nos aos sentidos . . . pressentimos o perigo mas não lhe conseguimos virar as costas. É perigoso e grandioso ! É enorme . . .

sexta-feira, 30 de março de 2007

História, Moda, Fetiche ...



"história visual com fotografias de calçados do século XX. Por elas pode-se comprovar a funcionalidade essencial de certas formas e formas, de um lado, e o requinte imaginativo de recursos ornamentais, gerador de modas, efêmeras, mas cativantes ... "

Sobre este e outros »»» Livros

Deslumbramento

La Pietà Gregor Podgorski

Impressionou-me ...

in http://oficinadesociologia.blogspot.com/
____________________________________________________________________

"Tratou-se de um acidente num paiol estatal e por isso não há compensação monetária.
Esta a posição da nossa Primeira-Ministra, Sra. Luísa Diogo, em entrevista à Reuters, comentando as explosões no paiol das Forças Armadas em Malhazine, periferia da cidade de Maputo. Leia também aqui.
Há posições que dispensam qualquer tipo de comentário, tão claras são. A de Luisa Diogo é uma delas.
Entretanto, chove torrencialmente em Maputo, agravando ainda mais a precaridade daqueles que sobreviveram às explosões mas tudo perderam."

quinta-feira, 29 de março de 2007

A NOSSA CASA

Ambição
minha e da Maria
foi termos uma casa nossa
onde nos contarmos os cabelos brancos.
Sonho realizado.
Casa definitiva já temos.
Lote 42.
Talhão 71883.
Fachada pintada a cal.
Classica arquitectura rectangular.
Uma via asfaltada com um único sentido.
Tudo sito no derradeiro bairrismo
que e' morar no bairro de Lhanguene.
Pelo menos envelhecer já não é problema.
O resto na altura mais propícia
surgirá por si.
Parece que está por pouco.
Na lista onde eu consto
É injusto que tarde estarmos juntos.



José Craveirinha
in "Maria", Caminho, 1998

____________________________________________________________________

Soa-me bem ...


______________________________________________________________________


"La Revancha del Tango"

terça-feira, 27 de março de 2007

No dia Mundial do Teatro ...

o caderno dedica esta página ao inesquecível :

Mario Viegas !
Poema de Mario Cesariny

Agostinho da Silva

3 Abril - 3ªf - 18h
Fundação Calouste Gulbenkian - Auditório III

A Editora Zéfiro e a Associação Agostinho da Silva procedem ao lançamento das Actas do Congresso Internacional do Centenário de Agostinho da Silva:
Agostinho da Silva, Pensador do Mundo a Haver.
A obra será apresentada pelo Professor Doutor Manuel Ferreira Patrício, ex-Reitor da Universidade de Évora.
____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
«O presente volume de Actas corresponde ao momento cientificamente mais significativo das Comemorações e de toda a recepção da obra agostiniana, o Congresso Internacional que reuniu três das principais universidades portuguesas, acolheu investigadores de diferentes nacionalidades, formações e gerações e constituiu a homenagem da academia portuguesa a um dos seus mais notáveis e ostracizados filhos. Cremos que a presente obra é já um marco no necessário e desejável estudo crítico e científico do pensamento de Agostinho da Silva, que ainda permanece refém de muitos preconceitos, a favor e contra, apenas devidos, quando assim acontece, à ausência de uma leitura global, atenta e reflectida da sua obra, que atenda aos diferentes períodos da sua génese e evolução e procure os fundamentos e articulações que estruturam as suas proposições mais visíveis.»

segunda-feira, 26 de março de 2007

O beijo


The Kiss Auguste Rodin
____________________________________________________________________________

Visitei, há muitos anos, o impressionante Museu Rodin, em Paris, no antigo Hôtel Biron, edifício de meados do Sec. XVIII . Guardei a sensação de um espaço antigo, imponente, aberto para um magnífico jardim, com chão em madeira, elevado pé alto, paredes brancas e uma luz, natural zenital, lindíssima que, ora revelava ora sugeria, ora insinuava as formas quentes, quase vivas, das esculturas de Rodin, que " respiravam " e se ofereciam, assim esplendorosas , aos nossos sentidos.

____________________________________________________________________

Agora, numa outra viagem, numa outra escala, num outro tempo, numa outra linguagem quase táctil que nos é oferecida pelo fascinante mundo virtual, a http://www.tate.org.uk/modern/ surprende-nos com este Kiss revisitado.


______________________________________________________________________



This video charts the fascinating history of a work once so unloved that it lay hidden in a stable block only to re-emerge many years later as one of the most popular icons in the Tate Collection. Rodin's marble sculpture The Kiss (1900-1904), currently on show at Tate Modern, is one of three versions that exists. It was commissioned by American collector Edward Perry Warren, who lived in Lewes House, Sussex. But while the French public celebrated Rodin and his work, when The Kiss first went on show in Britain in 1914 it met with outrage.


____________________________________________________________________

Sugestão de Ana Carvalho

A solidão no museu ...


José Machado Pais, participa na próxima Tarde Intercultural no Museu do Trabalho Michel Giacometti, dedicada ao tema "solidão / solidões" , Sábado, dia 31 de Março, como sempre ... das 15 ás 18 horas, em Setúbal.
_____________________________________________________________________
A solidão é um tema transversal e recorrente nestes tempos modernos em que " tempo é dinheiro " e ninguém tem tempo para ninguém . . .
________________________________________________
A solidão como objecto de estudo sociológico
A solidão como tema poético e literário
A solidão dramática e dramatizada
A solidão e a arte
A solidão do nosso fado
A solidão do nosso tempo
A solidão de outros tempos
_________________________________________
A solidão aqui tão perto . . .
(programa em breve)
____________________________________________________________________
A propósito . . .
____________________________________________________

O melhor belga !





Jacques Brel - au Suivant
02:46 ____________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________
Au suivant

Tout nu dans ma serviette qui me servait de pagne
J'avais le rouge au front et le savon à la main
Au suivant au suivant
J'avais juste vingt ans et nous étions cent vingt
A être le suivant de celui qu'on suivait
Au suivant au suivant
J'avais Tout nu dans ma serviette qui me servait de pagne
J'avais le rouge au front et le savon à la main
Au suivant au suivant
____________________________________________________________________

J'avais juste vingt ans et nous étions cent vingt
A être le suivant de celui qu'on suivait
Au suivant au suivant
J'avais juste vingt ans et je me déniaisais
Au bordel ambulant d'une armée en campagne
Au suivant au suivant
Moi j'aurais bien aimé un peu plus de tendresse
Ou alors un sourire ou bien avoir le temps
Mais au suivant au suivant
____________________________________________________________________

Ce ne fut pas Waterloo mais ce ne fut pas Arcole
Ce fut l'heure où l'on regrette d'avoir manqué l'école
Au suivant au suivant
Mais je jure que d'entendre cet adjudant de mes fesses
C'est des coups à vous faire des armées d'impuissants
Au suivant au suivant
Je jure sur la tête de ma première vérole
Que cette voix depuis je l'entends tout le temps
Au suivant au suivant
____________________________________________________________________

Cette voix qui sentait l'ail et le mauvais alcool
C'est la voix des nations et c'est la voix du sang
Au suivant au suivant
Et depuis chaque femme à l'heure de succomber
Entre mes bras trop maigres semble me murmurer
Au suivant au suivant
Tous les suivants du monde devraient se donner la main
Voilà ce que la nuit je crie dans mon délire
Au suivant au suivant
____________________________________________________________________

Et quand je ne délire pas j'en arrive à me dire
Qu'il est plus humiliant d'être suivi que suivant
Au suivant au suivant
Un jour je me ferai cul-de-jatte ou bonne sœur ou pendu
Enfin un de ces machins où je ne serai jamais plus
Le suivant le suivant

sábado, 24 de março de 2007

W. B. Yeats








THE LAKE ISLE OF INNISFREE (1892)

Ouvir o poema, dito por William Butler Yeats



___________________________________________________________________________________________________________________________
I will arise and go now, and go to Innisfree,

And a small cabin build there, of clay and wattles made;

Nine bean rows will I have there, a hive for the honeybee,

And live alone in the bee-loud glade.


And I shall have some peace there, for peace comes dropping slow,

Dropping from the veils of the morning to where the cricket sings;

There midnight's all a-glimmer, and noon a purple glow,

And evening full of the linnet's wings.


I will arise and go now, for always night and day

I hear the water lapping with low sounds by the shore;

While I stand on the roadway, or on the pavements gray,

I hear it in the deep heart's core.

quinta-feira, 22 de março de 2007


____________________________________________________________________

Museu da Língua Portuguesa
Museu da Língua Potuguesa de São Paulo expõe palavras vivas, sem nenhum livro.

______________________________________________________________________

______________________________________________________________________


Estive, há alguns anos atrás, nesta belíssima estação da Luz que agora é museu. Ainda não visitei o museu ... mas agrada-me o conceito e a temática. Um museu da materialidade das palavras tácteis e da imaterialidade dos sentidos. Um museu do simbólico. Um museu que trata de signos e comunicação. Um museu das culturas expressas em palavras comuns roladas pelo tempo . Um museu das etimologias e do sentido das coisas nomeáveis.

Um museu do incomensurável património que é a Língua Portuguesa.

Como no cinema ...


Tango in the movies: Frida Kahlo
Frida Kahlo & Ashley Judd
Tango Argentino

Carta de Frei Betto a Paulo freire ...


____________________________________________________________________
in http://www.paulofreire.org/pf_livros.htm_____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
"Foram as suas idéias, professor, que permitiram a Lula, o metalúrgico, chegar ao governo. Isso nunca acontecera antes na história do Brasil e, quiçá, na do mundo, exceto pela via revolucionária. (...) A sua pedagogia, professor, permitiu que os pobres se tornassem sujeitos políticos. (...) Graças às suas obras, professor, descobriu-se que pobres têm uma pedagogia própria. Eles não reproduzem discursos abstratos, mas plásticos, ricos em metáforas. Não moldam conceitos, contam os fatos. Foi o senhor que nos fez entender que ninguém é mais culto do que o outro por ter freqüentado a universidade ou apreciar as pinturas de Van Gogh e a música de Bach. O que existe são culturas paralelas, distintas e socialmente complementares. (...) O pobre sabe, mas nem sempre sabe que sabe. E quando aprende é capaz de expressões como esta que ouvi da boca de um senhor, alfabetizado aos 68 anos: 'Agora sei quanta coisa não sei'. (...) O senhor fez os pobres conquistarem auto-estima. Graças ao seu método de alfabetização, eles aprenderam que 'Ivo viu a uva' e que a uva que Ivo viu e não comprou é cara porque o país não dispõe de política agrícola adequada e nem permite que todos tenham acesso à alimentação básica. (...) Ao longo das últimas quatro décadas, seus 'alunos' foram emergindo da esfera da ingenuidade para a esfera da crítica; da passividade à militância; da dor à esperança; da resignação à utopia. Convencidos pelo senhor de que são capazes, eles foram progressivamente ocupando espaços na vida política brasileira, como militantes das CEBS, do PT, do MST e de tantos outros movimentos. Por este novo Brasil, muito obrigado professor Paulo Freire"

Frei Betto

Trecho retirado da contra-capa do livro Pedagogia da Autonomia - Saberes necessários à prática educativa; de Paulo Freire; 3ª edição; São Paulo: Faz e Terra, 1996. Coleção Leitura : Paz e Terra, 1996. Coleção Leitura.

quarta-feira, 21 de março de 2007

Canção Óbvia





____________________________________________________________________
Escolhi a sombra desta árvore para
repousar do muito que farei,
enquanto esperarei por ti.
Quem espera na pura espera
vive um tempo de espera vã.
Por isto, enquanto te espero
trabalharei os campos e
conversarei com os homens
Suarei meu corpo, que o sol queimará;
minhas mãos ficarão calejadas;
meus pés aprenderão o mistério dos caminhos;
meus ouvidos ouvirão mais,
meus olhos verão o que antes não viam,
enquanto esperarei por ti.
Não te esperarei na pura espera
porque o meu tempo de espera é um
tempo de que fazer.
Desconfiarei daqueles que virão dizer-me,:
em voz baixa e precavidos:
É perigoso agir
É perigoso falar
É perigoso andar
É perigoso, esperar, na forma em que esperas,
porque esses recusam a alegria de tua chegada.
Desconfiarei também daqueles que virão dizer-me,
com palavras fáceis, que já chegaste,
porque esses, ao anunciar-te ingenuamente ,
antes te denunciam.
Estarei preparando a tua chegada
como o jardineiro prepara o jardim
para a rosa que se abrirá na primavera.



Paulo Freire
Genève, Março 1971.
In: Freire, P. Pedagogia da Indignação. São Paulo: UNESP, 2000.

Ser ou não ser ...


Nach Scratch

SENHORES DE SI


Almeida, Miguel Vale de
Fim de Século, Edições
_____________________________________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________ ____________________________________________________________________
«Senhores de Si» é um estudo sobre a variedade das identidades masculinas, por um lado, e os efeitos da masculinidade hegemónica, por outro. Baseado em trabalho de campo numa aldeia Alentejana, na experiência de vida partilhada com os seus homens, apresenta uma etnografia em diálogo com teorias recentes das ciências sociais sobre "sexo e género".
____________________________________________________________________
Brevemente deixarei aqui, no caderno, excertos deste magnífico livro ... descrições soberbas dos lugares, dos personagens, das apreensões e emoções gerados no longo percurso de observação e estudo, minuciosamente descrito pelo autor, no exaustivo trabalho de campo, por ele realizado em Pardais, terra dos mármores.
_______________________________________________________________________ Desde a abertura deste " Caderno ...", tenho um link que me leva directamente a http://valedealmeida.blogspot.com/ " Os tempos que correm ".


Trata-se de um excelente espaço de crítica social e reflexão, escrito por aquele que considero ser, neste momento, um dos maiores cientistas sociais. As obras deste investigador para além de obedecerem a um rigor metodológico e conceptual exemplar, são em si mesmas, preciosidades literárias.


A imagética a que recorre autor , transporta-nos para os terrenos de estudo, fazendo-nos participar da observação. As narrativas que suportam os estudos sociológicos e antropológicos de Miguel Vale de Almeida, são obras literárias comparáveis ás dos grandes escritores de Língua Portuguesa. Seleciono " Senhores de si ", uma das obras mais antigas, porque assisti recentemente a um esclarecedor debate, sobre o livro, com a presença do autor, no âmbito de um ciclo de eventos descentralizados, promovidos pelo ceas.iscte , evocativos de 20 anos de Antropologia, que integram a discussão comparada de clássicos e/ou obras de referência, designada "Livros de Antropologia em Diálogo".

Na última sessão, que teve lugar ontem na Livraria Bulhosa, estiveram em debate : Filhos de Adão, Filhas de Eva: A Visão do Mundo Camponesa do Alto Minho de João Pina Cabral e Senhores de Si - de Miguel vale de Almeida. Os livros foram apresentados pelas antropólogas Susana Viegas e Maria Cardeira da Silva.


Miguel Vale de Almeida dirige a Revista Etnográfica do Centro de Estudos de Antropologia Social do ISCTE http://ceas.iscte.pt/etnografica/

About Love ...




____________________________________________________________________ ____________________________________________________________________
Derrida makes the distinction between the 'who' one loves - their singularity - and the 'what' - the specific qualities of the beloved; then, he states that philosophy's most basic question - 'What is Being?' promotes the same sort of diffe Derrida makes the distinction between the 'who' one loves - their singularity - and the 'what' - the specific qualities of the beloved; then, he states that philosophy's most basic question - 'What is Being?' promotes the same sort of differential reflection: "is Being someone or something?" Fidelity, he states, is always threatened by this division - between the desire to be faithful to the other's singularity and the qualities that may not be as one once thought ...
_____________________________________________________________________________________
De link em link fui dar a http://trans-ferir.blogspot.com interessante blog assinado por Vitor Oliveira Jorge , onde encontrei este e outros videos sobre temas/questões "fundadoras" da filosofia, recolocadas por Derrida, em frente a câmaras provocatórias - Ágoras digitais do pensamento contemporâneo . Seleccionei este tema porque, aqui, Derrida rompe com todos os clichés (concordo com a apreciação de V. Oliveira Jorge) e discerne magistralmente, numa estonteante lucidez, sobre aquilo que eventualmente será o " Amor ", revisitado, como categoria filosófica, na contemporaneidade.

segunda-feira, 19 de março de 2007

E a propósito de casas, gostos, culturas e identidades, sugiro ...


ETHNOLOGIE DU DÉCOR EN MILIEU OUVRIER
Le bel ordinaire
Préface de Michel Verret
____________________________________________________________________
Esta obra mostra-nos como o décor dos espaços domésticos se produz, em diferentes épocas e contextos, de forma programada, no caso em apreço numa lógica de quotidiano operário , estruturada em torno de valores e conceitos do belo, numa rede de significações, memórias, gramáticas discursivas e estilos de representação, dirigidos ao universo restrito dos seus " visitantes ", família e amigos.
Os décors dos interiores domésticos são, como que, " exposições ", com direito reservado de admissão que, quando transformadas em objectos de estudo etnológico/antropológico, se tornam profundamente reveladores de especificidades culturais e identitárias, nas suas mais ínfimas e íntimas evidências, a cultura não visível, os "sons"ocultos do não dizível, do implícito patente. Para ilustrar esta subtileza, Michel Verret, na introdução, recorre à poesia, nas palavras sábias de Octávio Paz :
Musique n`est pas silence
Elle n`est pas dire
Ce que dit le silence
Elle est dire
Ce qu`il ne dit pas ? ...
____________________________________________________________________
Este estudo é um desafio ... é um livro util a museólogos e a quem opera com programação de exposições. Questiona-nos e inspira-nos.

25 de Abril em cartaz


O Museu Municipal de Faro, inaugura no próximo dia 4 de Abril de 2007, pelas 18:00, a exposição 25 de Abril em Cartaz, que ficará patente até ao dia 30 de Abril de 2007.

Centro de Documentação 25 de Abril © 1996
____________________________________________________________________
Mostra-se uma selecção dos muitos cartazes que o Museu Nacional da Imprensa possui, alusivos ao 25 de Abril, nela se incluindo trabalhos de Vieira da Silva, João Abel Manta e Vespeira
________________________________
Escolhi este cartaz para ilustrar o post porque me lembrei imediatamente dele quando recebi esta notícia do Museu municipal de Faro. Durante alguns anos, esta imagem marcou a paisagem do meu quotidiano doméstico.
Ali estava ele ... no meu canto de estudo, a lembrar a poética do 25 de Abril. Foi ficando ... até que um dia, olhando-o com olhos de ver, verifiquei que o tempo lhe tinha comido a cor ...
então, destronei-o saudosamente da parede. Tinha que ser ...
assim amarelecido, era um mau presságio para a revolução e um atentado à obra da genial Vieira da Silva ! As casas mudam com as pessoas ... com os estados de espírito, com as circunstâncias. Mas, neste caso, só mudou mesmo o cartaz porque apesar dos revezes, as cores fortes de Abril ainda povoam e inspiram o meu canto, com uma poética sempre renovada.
____________________________________________________________________

domingo, 18 de março de 2007

Sou uma pessoa de gostos simples. Basta-me o melhor!" Oscar Wilde



Num Domingo de SOL, pisar a terra lavrada, sentir o cheiro dos coentros frescos, saborear as primeiras favas do ano, cozinhadas por uma amiga que nos conhece os gostos, descascar uma suculenta laranja, à sombra da laranjeira, enquanto a conversa corre e o sumo escorre, gomo a gomo, nas gargantas ...
vaguear ao ritmo da natureza ... pela natureza ... colher frésias e alfazema ...

sorver os aromas ... encantar-se ... encantar.



Vozes no exílio ...


Voice of Tibet, http://www.vot.org/ , produce and broadcast radio programs daily to Tibet and China (in Tibetan and Mandarin language). And every day China attempt to block the transmissions.
_______________________________________________________________________________________
A ocupação do Tibete pela china, a morte, a violência perpetrada contra inocentes e a subjugação obstinada do seu povo, da sua cultura, da sua arte, da sua expressão, é algo que nos diminui , que nos deveria atormentar . . .
A este (des)propósito veja-se Assassinos de olhos em bico , postado por Carlos Narciso.
É impossível ficar indiferente ao que aqui se mostra! Pessoas que fazem tiro ao alvo a pessoas.
Vemos, ouvimos e lemos ...
Porque continuamos a ignorar ?
____________________________________________________________________________________
Os Direitos Humanos são um marcador prioritário neste " Caderno de Campo ", dedicado à Museologia porque O Património somos nós . Não existe maior legado ...

Sugestão ( a reler ... )


1995

Há um vínculo secreto entre a lentidão e a memória, entre a velocidade e o esquecimento. Imaginemos uma situação das mais comuns: um homem andando na rua. De repente, ele quer se lembrar de alguma coisa que lhe escapa. Nesse momento, maquinalmente, seus passos ficam lentos. Ao contrário, quem está tentando esquecer um incidente penoso que acabou de vive sem querer acelera o passo, como se quisesse rapidamente se afastar daquilo que, no tempo, ainda está muito próximo de si. Na matemática existencial, essa experiência toma a forma de duas equações elementares: o grau de lentidão é diretamente proporcional à intensidade da memória; o grau de velocidade é diretamente proporcional à intensidade do esquecimento.
____________________________________________________________________
Sinopse:____________________________________________________________________
Vincent, um jovem intelectual, vai a um congresso de entomologistas num antigo castelo francês; à sua volta desfilam egos, vaidades e fraquezas de personagens tipicamente "kunderianos": nobres e mesquinhos ao mesmo tempo. A história de Vincent se alterna com outra: um conto do século XVIII sobre traições e amores que o autor situa no mesmo castelo . . . Leia mais
____________________________________________________________________
A velocidade e o exibicionismo da vida moderna em oposição à lânguida morosidade do século XVIII, com suas alcovas, seus prazeres, suas escapadas amorosas
____________________________________________________________________

Porto 0 X Sporting 1 !


Dedicado a todos os Sportinguistas
Música: Hino Alvalade XXI
_______________________________________________________________________________________
Só eu sei ... trá lará , trá lará

sábado, 17 de março de 2007

Glória ... Glória ...


Missa Criolla - Glória
De George Dalaras, em espanhol


Richard Webster


_____________________________________________________________________


O novo livro de Webster é tão importante, tão original e tão controverso que todos os que se interessam por Freud devem lê-lo. Gostarão de o fazer. (...) É um dos melhores livros escritos sobre Freud e as ideias do século XX acerca da natureza humana.


ANTHONY STORR, Financial Times


Sigmund Freud: 150 anos depois reúne contribuições de uma vintena de psicanalistas portugueses que quiseram, através das suas palavras escritas, homenagear o primeiro dos seus Mestres, Sigmund Freud, nascido há 150 anos em Freiberg, Morávia.


"O problema decisivo da Humanidade parece-me consistir no seguinte: se a evolução cultural conseguirá dominar, e até que ponto, a perturbação da convivência provocada pelos instintos humanos de agressão e autodestruição. Quanto a isto, talvez a época actual mereça especial interesse.Os homens adquiriram um tal controle sobre as forças da natureza que, com a sua ajuda, não teriam dificuldade em exterminar-se uns aos outros, até ao último homem. Sabem isso, e daí grande parte do seu desassossego actual, da sua infelicidade e da sua ansiedade. Resta-nos esperar que o outro dos dois "Poderes Celestiais", o Eros eterno, faça um esforço para se afirmar na luta contra o seu também imortal adeversário. Mas quem pode prever com que sucesso, e com que resultado?"


Sigmund Freud http://fnac.pt/

sexta-feira, 16 de março de 2007

Museu do Homem do Nordeste ...








________________________
homenageia Katarina Real





____________________________________________________________________
A exposição fotográfica Katarina Real - Outros Carnavais, montada no Museu do Homem do Nordeste, homenageia a folclorista americana que teve a sensibilidade de captar imagens de vários carnavais na década de sessenta, em Pernambuco. A mostra fica em cartaz até o dia 30 de março no hall do museu, na Fundaj Casa Forte (avenida Dezessete de Agosto, 2187) e reúne cerca de 60 imagens captadas pela folclorista Katarina Real Cate.



____________________________________________________________________



A Fundação Joaquim Nabuco é naAv. Dezessete de Agosto, 2187 - Casa Forte 52061-540 , Recife - PE.Informações: 81 3073.6363 ou pelo portal www.fundaj.gov.br

Maravilhada !


_____________________________________________________________________
Fiquem . . .

quinta-feira, 15 de março de 2007

Lopes Graça



Lopes Graça , foto publicada no blog Barreiro A que me foi remetida por João Aldeia



Divulgamos aqui um site dedicado à vida e obra do compositor Fernando Lopes-Graça, que surge no contexto do centenário do seu nascimento.
Para além de informação biográfica e bibliográfica relativa ao compositor, o site estabelece ligações com outros endereços electrónicos de interesse e dispõe de uma rádio online que permitirá ouvir a obra já gravada de Lopes-Graça, entre outras coisas.
___________________________________________________________________
http://www.lopes-graca.com


quarta-feira, 14 de março de 2007

Há imagens que ficam ...



Sabia que tinha estas fotografias ...
Mas onde ?
__________
Na minha memória, seguramente existiam.
____________
Em criança,via-as e (re)via-as, inventando-lhes vidas e falas ...
_____________
Agora, que finalmente as encontrei, ficam aqui a marcar as páginas do meu caderno.
____________
Um beijo mãe ...

Uma raridade ...


BERTO (Al).— TRABALHOS DO OLHAR. 1982. 14,5x20,5 cm. XXIV págs. B.Fotografia de Al Berto, na capa, de autoria de António C. Pidwell Tavares.

Recuperação do património arquitectónico





Ciclo de conferências sobre Metodologias de Intervenção em Monumentos




Universidade de Évora Mestrado em Recuperação do Património Arquitectónico e Paisagístico



Ciclo de conferências sobre Metodologias de Intervenção em Monumentos
(16 de Março − 15 de Junho de 2007)

O desenho cadastral como registo da memória
Prof. Mário Mendonça de Oliveira, Universidade Federal da Baía (Brasil)
16 de Março de 2007

Colégio Verney – Rua Romão Ramalho, 59
Sala 169 – 11,00 horas – Entrada livre

móvel vs imóvel




O tempo é a imagem móvel da eternidade imóvel

Seguidores

Povo que canta não pode morrer...

Beirute.Nantes

Loading...

Arquivo do blogue

Pesquisar neste blogue

Acerca de mim

A minha foto

"A coisa mais fina do mundo é o sentimento. " (Ensinamento) Adélia Prado